Patrocinado


Você está em: Guarani 2021 - Jogo de Hoje

O Guarani Futebol Clube é uma agremiação esportiva brasileira da cidade de Campinas, interior do estado de São Paulo. Foi fundado em 2 de abril de 1911 por alguns jovens de ascendência italiana e um jovem de ascendência alemã. O nome do clube é uma homenagem à obra-prima do compositor Carlos Gomes, Il Guarany.

É conhecido popularmente como “Bugre” devido ao seu mascote. Manda suas partidas de futebol em seu estádio, o Brinco de Ouro, cuja capacidade é para 29 130 espectadores. Seu maior rival é a Ponte Preta, a partida entre as duas equipes é conhecida como Dérbi Campineiro. Esta rivalidade é tida como a maior entre clubes de interior no Brasil.

Uma das mais tradicionais equipes do interior de São Paulo, o Guarani conquistou, ao todo, 12 títulos campineiros entre as décadas de 1910 e 1950. No entanto, o clube viveria seus maiores momentos de glória entre a segunda metade da década de 1970 e ao longo da década de 1980. Sua maior conquista no futebol é o Campeonato Brasileiro de 1978, a primeira conquista nacional de primeira divisão de um clube de futebol de interior no Brasil, exceto a cidade de Santos, litorânea.

O Bugre também conquistou o Campeonato Brasileiro Série B de 1981, foi por duas vezes finalista do Campeonato Brasileiro (em 1986 e 1987) e por outras duas do Campeonato Paulista (em 1988 e 2012). No plano internacional, a equipe campineira já participou por três vezes da Copa Libertadores da América, tendo feito sua melhor campanha na edição de 1979, quando alcançou a fase semifinal, tendo também participado da Copa Conmebol de 1995, quando foi eliminado na primeira fase (oitavas-de-final).

História
O Guarani Futebol Clube foi fundado em 2 de abril de 1911 como Guarany Foot-Ball Club. Notabilizado por ser o primeiro e único campeão brasileiro de interior no País, o Guarani revelou jogadores de projeção mundial, como Careca, Amaral, Júlio César, Deco, Evair, Amoroso, Luisão, Mauro Silva, Neto, Edu Dracena, Elano, Renato, João Paulo e Jonas, além de ter tido em seu elenco jogadores nacionalmente destacados, como Zenon, Edílson, Ricardo Rocha, Jorge Mendonça, Djalminha e Neneca, entre outros.

Carlos Gomes
Os 12 jovens, Vicente Matallo (18 anos, primeiro presidente) e Antonio de Lucca (16), os italianos Pompeo de Vito (15 anos), seu irmão Romeo Antonio de Vito (16), Angelo Panattoni (16), José Trani (16), Luiz Bertoni (19), José Giardini (18), Miguel Grecco (17), Julio Palmieri (16) e Hernani Felippo Matallo (16), além de Alfredo Seiffert Jaboby Junior (18), que era o único de família oriunda da Alemanha, se encontraram no dia 1 de abril de 1911, na Praça Carlos Gomes, quando escolheram o nome em homenagem à ópera Il Guarany de 1870 (título original em língua italiana. A tradução para a língua portuguesa é “O Guarani”), obra mais conhecida do maestro e compositor clássico, que é o filho mais ilustre da cidade de Campinas e deu nome a praça (Carlos Gomes),(ópera essa, baseada no livro de romance homônimo de José de Alencar).

A data de fundação oficial, no entanto, foi transferida para o dia seguinte, para evitar piadas em relação ao Dia da Mentira.

O Guarani disputou a 1ª Divisão do Campeonato Paulista da APEA (Associação Paulista de Esportes Atléticos) de 1927 a 1931, com ótimas participações, passando depois a disputar os Campeonatos Amadores do Interior.

Depois da conquista de um vice-campeonato em 1943, o Guarani sagrou-se campeão do interior em 1944, sendo, em seguida, o primeiro clube do interior a ser campeão estadual amador, após superar os amadores da Sociedade Esportiva Palmeiras, campeões da capital.

Em 1946, foi, novamente, vice campeão do interior. Somente em 1947 tornou-se profissional, juntamente com outros clubes do interior que passaram a ter esse direito.

Em 1948, o XV de Piracicaba foi o primeiro campeão da divisão de acesso (2ª Divisão de Profissionais). O Guarani foi o segundo clube interiorano a chegar ao campeonato principal, ao vencer o campeonato da segunda divisão de 1949.

Em 1954, cedeu o primeiro jogador para uma Seleção Brasileira de Futebol, Fifi, que participou do Campeonato Sul Americano Juvenil na Venezuela. Em 1956, o goleiro Paulo Martorano foi o primeiro jogador do clube a ser convocado para a Seleção Brasileira Principal, sendo reserva de Gilmar nos 5 jogos do Campeonato Sul Americano (atual Copa América), disputado em Montevidéu, no Uruguai.

Em 1963, o Guarani teve novamente atletas convocados para a Seleção Brasileira principal: Tião Macalé, Oswaldo, Amauri Silva e Hilton Vaccari, que jogaram o Campeonato Sul Americano daquele ano, na Bolívia.

Os primeiros troféus da era profissional foram os do Torneio Início dos campeonatos paulistas de 1953, 1954 e 1956, a Taça dos Invictos da Gazeta Esportiva em 1970, o II Troféu Folha de S.Paulo, pelo tricampeonato do interior em 72-73-74, e a Taça Almirante Heleno Nunes (referente à conquista do primeiro turno do Campeonato Paulista) em 1976.

O auge dessa evolução seria marcado pelo inédito Campeonato Brasileiro, conquistado em 1978 com uma equipe na qual destacavam-se Careca, Zenon, Renato e o treinador Carlos Alberto Silva.

Até hoje, o Guarani é o único clube do interior do Brasil a ter conquistado o título da primeira divisão do Campeonato Brasileiro, tendo sido ainda vice-campeão do Torneio dos Campeões em 1982, quando perdeu a final deste torneio nacional patrocinado e organizado pela C.B.F. para o America no Maracanã por 2 a 1.

O time chegaria ainda a dois vice-campeonatos brasileiros, em 1986 (em uma final inesquecível contra o São Paulo, decidida após uma prorrogação e disputa de pênaltis) e em 1987 (contra o Sport). No ano seguinte (1988) foi vice campeão Paulista, sendo batido pelo Corinthians na prorrogação da 2ª partida.

O Bugre foi um dos 20 membros do Clube dos 13, que congregou até 2011 os principais clubes de futebol do Brasil.

O Guarani, depois de ter passado por uma crise financeira seríssima, em 2011 chegou a estar entre os últimos colocados na Série B e ficou sem pagar salários aos jogadores durante 5 meses. Mesmo assim, superou a crise, não caindo para a Série C. Recuperado da turbulência, montou um time forte e sagrou-se vice-campeão do Campeonato Paulista de 2012.

Porém, em 2013, amargou o nono rebaixamento em 12 anos, sendo o quarto rebaixamento para a Série A2 do Campeonato Paulista. Desde 2001, o Bugre caiu quatro vezes na Série A1 do Paulista (2001, 2006, 2009 e 2013), uma vez no Torneio Rio-São Paulo (2002), duas vezes na Série A do Campeonato Brasileiro (2004 e 2010) e duas vezes na Série B do Campeonato Brasileiro (2006 e 2012).

O Guarani disputou a Série C do Brasileiro de 2013 a 2016. Sem fazer grandes campanhas na terceira divisão nacional (onde sequer avançava à segunda fase) e brigar contra o descenso à Série D, o time montou um forte elenco em 2016 e contratou o técnico Marcelo Chamusca. Com isso, o time liderou seu grupo (Grupo B), fazendo a melhor campanha da primeira fase e avançando às quartas de final, onde superou o ASA de Arapiraca e avançou às semifinais, garantindo o acesso à Série B do Campeonato Brasileiro de 2017. Nas semifinais, o Guarani fez história contra o ABC de Natal. No jogo de ida no Frasqueirão (casa do adversário), o Guarani foi goleado por 4 a 0 e parecia que o sonho de chegar à final tinha sido em vão. Mas, no jogo de volta, em casa, precisando vencer por cinco gols de diferença para se classificar, o Bugre fez mais e reverteu o que parecia impossível e goleou o ABC por 6 a 0, numa das maiores viradas da história do futebol brasileiro, classificando-se para a final contra o Boa Esporte, terminando como vice-campeão.

Em 2018, o Guarani retornou a divisão de elite do Campeonato Paulista em 2019 sagrando-se campeão paulista da Série A2 contra o Oeste. Em jogo único no Estádio Brinco de Ouro, o clube venceu por 4 a 0, conquistando seu 2º título nessa competição. Com a conquista do título, o Guarani também habilitou-se para disputar a Copa do Brasil de 2019.

Símbolos
Cores
Por ocasião da fundação, em 1911, os fundadores optaram pelas cores branca, para simbolizar a luz do dia, e verde para simbolizar o gramado. Em 13 de fevereiro de 1916 o Alviverde enfrentou a Ponte Preta e venceu por 2 a 0, usando pela primeira vez a sua tradicional camisa verde.

O primeiro escudo em camisas do Guarani foi utilizado em 1916. Em 1923, na inauguração do primeiro estádio do Guarani, foi apresentado um novo escudo. Entre 1927 e 1928, aparece o primeiro escudo circular. Entre 1929 e 1938, o Guarani usou um escudo bem próximo do atual. Entre 1938 e 1942, o Guarani utiliza o escudo que era combinação do escudo de 1916 com o de 1927, alterando seu uso com o escudo anterior.

Entre 1942 e 1948, o escudo foi simplificado para um “G” ovalado, inserido em um círculo. Entre 1949 e 1981, o “G” foi arredondado dentro do círculo, sendo que de 1975 à 1981, havia um “GUARANI”, abaixo do escudo, e de 1979 à 1981, uma estrela dourada sobre o escudo.

Entre 1981 e 2000, o Guarani volta adotar o escudo completo, sendo que de 1982 à 1996, haviam duas estrelas sobre o escudo: Uma dourada e outra prateada. De 1996 a 2000, apenas a estrela dourada foi adotada.

A partir de 2011, o Guarani passou a atuar com camisas alusivas ao seu centenário, com o escudo feito especialmente para a esse marco histórico. O “GFC” do escudo recebe um tom dourado, o círculo menor recebe um filete dourado, e, o círculo maior, muda de branco para dourado. Abaixo do escudo, recebe uma faixa dourada, onde aparece a inscrição “100 anos”, em branco com filete verde.

Após o Campeonato Paulista de Futebol de 2012 – Série A1, o Guarani volta a utilizar o escudo de 2007, anterior ao do Centenário.

Entre 2001 e 2007, o escudo ganha mais uma borda, fica com o fundo verde e com a escrita branca, tanto na camisa verde, quanto na camisa branca.

Em 2007, a estrela dourada volta e em vez da letra “F.” abreviada, passa a ser escrita a palavra “FUTEBOL”.

A partir de 2014, buscando seguir o manual de identidade do clube e padronizar a marca, o Guarani passa a atuar com o modelo de escudo aplicado nos anos 80, havendo maior proporcionalidade entre as letras “GFC”, e fidelidade à sua cor de fundação.

Hino
O hino oficial do Guarani Futebol Clube é de autoria do compositor campineiro Oswaldo Guilherme, que compôs a letra e a música. Há gravadas versões equivocadas do hino, que dizem “em todo o campo que eu vou” e “construímos com devoção”. O correto:

“ Eu levo sempre comigo,
Em todo campo que eu for,
A bandeira do verde e branco,
Símbolo do torcedor.

Brinco de Ouro, a nossa taba,
Construído com devoção,
Nossa Família Bugrina,
Tem raça e tradição.

Avante, avante meu bugre!
Com fibra e destemor!
A cada nova jornada,
Guarani é mais amor.

Avante, avante meu bugre!
Que nós vibramos por ti!
Na vitória ou na derrota,
Hoje e sempre, Guarani.


Estádio
Ver artigo principal: Estádio Brinco de Ouro da Princesa

Ficheiro:Estádio Brinco de Ouro da Princesa (Guarani).jpg
Vista aérea do Brinco de Ouro.
Seu estádio é o Brinco de Ouro da Princesa, inaugurado em 31 de maio de 1953, com capacidade atual para 29 130 pessoas.

O Guarani utilizou por cerca de dois anos o Ground da Villa Industrial, um campo de terra cedido pelo poder público. No ano de 1913, começou a alugar junto ao S. C. Commercial um campo de futebol situado no bairro Guanabara, popularmente conhecido como “Ground do Guanabara”.

Pouco tempo depois, o Commercial encerrou suas atividades e o Guarani obteve uma permissão de uso gratuito com a família proprietária do terreno. Lá, treinou até o ano de 1920, quando após infrutíferas negociações do presidente Carmine Alberti com a prefeitura na tentativa de receber em doação um espaço de terra onde pudesse construir um estádio, decidiu reunir esforços para a compra daquela área do bairro Guanabara.

O associado Egídio de Sousa Aranha teve papel importantíssimo na história do Guarani, pois conseguiu convencer a proprietária, sua tia Isolethe Augusta de Souza Aranha, a vender o terreno, de cerca de 20 000 metros quadrados, a um preço irrisório de 900 réis o metro.

Logo foi nomeada uma “Comissão Pró Estádio”, presidida por João Pereira Ribeiro, e que desenvolveu todos os tipos de promoções para a arrecadação de fundos. Finalmente, em 15 de julho de 1923, foi inaugurado o primeiro estádio de futebol de Campinas, chamado de: “Estádio do Guarany”.

Para a inauguração, o Bugre convidou o principal clube do futebol paulista na fase amadora , o Club Athletico Paulistano, com Friedenreich e muito mais. O Guarani venceu a partida inaugural por 1 a 0, gol de Zequinha. A escalação do Guarani na histórica partida: Pacheco, Joca e Tavares; Deputado, Juca e Joaquim; Miguel, Zéquinha, Barbanera, Nerino e Pilla.

O Estádio da Rua Barão Geraldo de Resende passou por várias reformas e ampliações, servindo ao clube até 1953. Nele, o Guarani recepcionou alguns dos maiores times do país, tendo, ali, mandado seus jogos pelos campeonatos paulistas de 1927, 1928, 1929, 1930, 1931, 1950, 1951 e 1952.

Com a chegada do profissionalismo ao interior, em 1947, o Guarani passou a ter um sério problema. O Estádio da Rua Barão Geraldo de Resende, no Guanabara, já não comportava o Clube, e a Federação Paulista de Futebol prometia criar a “Divisão de Acesso”, dando chances aos principais clubes do interior a ingressar em seu Campeonato Paulista, sendo que todos tinham certeza de que o Bugre logo aproveitaria essa oportunidade. Neste caso, criaram uma Comissão liderada por Antônio Carlos Bastos para estudar as alternativas possíveis. Depois de polêmica, foram descartadas as possibilidades de nova reforma ou ampliação do antigo estádio. O Guarani precisava partir para uma área maior, ainda que não tão próxima ao Centro da cidade.

Surgiu, então, a Sociedade de Imóveis e de Administração Ltda., que propôs a troca do terreno do bairro Guanabara por uma área de 50 400 metros quadrados na chamada Baixada do Proença, pagando, ainda, ao clube, em parcelas, dois milhões de cruzeiros. Faria também a sondagem e a terraplenagem do novo terreno. O negócio foi, então, concretizado.

Enquanto a equipe de futebol disputava a Divisão de Acesso de 1948, a Comissão Pró Estádio e os arquitetos Ícaro de Castro Melo e Oswaldo Correa Gonçalves desenvolviam seus estudos. O clube conseguiu junto à Imobiliária Paraíso a doação de uma área de 19 405 metros quadrados, anexa à negociada, e Arlindo de Sousa Lemos doou mais 2 920 metros quadrados. Definiu-se no projeto original que o estádio teria capacidade para 29 000 pessoas e seria construído em etapas.

Após uma ampla campanha de arrecadação de fundos feita entre seus torcedores, o Guarani construiu o estádio Brinco de Ouro da Princesa, inaugurado em 31 de maio de 1953 com uma partida com o Palmeiras, que acabou sendo derrotado pelo time de Campinas pelo placar de 3 a 1. Alguns anos depois passou a ser construído em torno do estádio um vasto clube social. Graças à estrutura criada, a equipe passou a se destacar nos campeonatos profissionais.

Mesmo antes da construção do “tobogã”, em 1979/80, o Brinco de Ouro chegou a receber 34 513 torcedores presentes no jogo contra o Fluminense, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro de 1975, no dia 26 de novembro.

O recorde, com o “tobogã”, foi de 52 002 pagantes, na semifinal do Brasileiro de 1982, contra o Flamengo, em 15 de fevereiro de 1982.

Em 5 de maio de 1990, jogaram, no Brinco de Ouro, as seleções de Brasil e Bulgária, com público de 51 720 torcedores.

Hoje, o estádio tem capacidade para 29 130 espectadores, de acordo com as novas regras de acomodação, baseadas no Estatuto do Torcedor e nas normas da FIFA.


Patrocinado