Patrocinado


Você está em: Santa Cruz 2021 - Jogo de Hoje

O Santa Cruz Futebol Clube (mais conhecido como Santa Cruz, de monograma SCFC) é um clube multiesportivo brasileiro sediado na cidade do Recife. Fundado no dia 3 de fevereiro de 1914, é um dos mais tradicionais e populares clubes de futebol de Pernambuco e do Nordeste brasileiro.

Dentre as suas principais conquistas, um título nacional do Campeonato Brasileiro – Série C e dois títulos regionais: um da Copa do Nordeste e um do Torneio Hexagonal Norte-Nordeste. Entre os títulos estaduais destacam-se os 29 do Campeonato Pernambucano, dentre os quais três Supercampeonatos Pernambucanos, sendo o único trisupercampeão pernambucano. O Santa Cruz ainda ostenta o título de Fita Azul, honraria de mérito concedida ao clube que conclui de maneira invicta uma excursão no exterior, essa realizada em março de 1979.

Na Série A do Campeonato Brasileiro, a sua melhor colocação foi nas edições de 1960 e 1975, quando alcançou o quarto lugar, sendo que o quarto lugar de 1975 aconteceu entre 1969 e 1983, período no qual o Santa Cruz conquistou nove títulos estaduais em quinze disputados, além de inaugurar o Estádio do Arruda, em um profícuo período do clube, provavelmente o melhor de sua história, no qual brilharam jogadores famosos como Givanildo, Nunes, Fumanchu e Ramón. Com tantos artilheiros de destaque em sua história, sete com mais de 100 gols, o Santa Cruz foi o primeiro clube do Nordeste e o décimo segundo do Brasil a atingir a marca de 10.000 gols registrados.

Suas cores oficiais são o preto, o branco e o vermelho. Costuma mandar suas partidas no seu estádio, o Arruda, o sexto maior do Brasil, o segundo maior particular. Sendo o segundo clube de maior torcida de Pernambuco, tem como os dois maiores rivais esportivos o Sport Club do Recife, com o qual protagoniza o Clássico das Multidões, e o Clube Náutico Capibaribe, com quem disputa o Clássico das Emoções.

História
Fundação

Bairro da Boa Vista local de fundação do Santa Cruz Futebol Clube.
Tendo sido criado por um grupo de 11 meninos do Recife, a ideia do nome Santa Cruz adveio em razão do pátio da Igreja de Santa Cruz, onde este grupo de jovens, com idades entre 14 e 16 anos, costumava jogar futebol – afinal, naquela época não existiam campos, já que o esporte ainda era considerado de elite.

Os fundadores do clube reuniram-se na Rua da Mangueira n° 2, distrito da Boa Vista, por volta das 19 horas. Estiveram presentes os senhores Quintino Miranda Paes Barreto, José Luiz Vieira, José Glacério Bonfim, Abelardo Costa, Augusto Frankin Ramos, Orlando Elias dos Santos, Alexandre Carvalho, Oswaldo dos Santos Ramos e Luiz de Gonzaga Barbalho Uchôa Dornelas Câmara.

A primeira diretoria do Santa Cruz ficou assim estabelecida:

Presidente: José Luiz Vieira
Vice-presidente: Quintino Miranda Paes Barreto
Primeiro secretário: Luiz Gonzaga Barbalho
Diretor de Esportes: Orlando Elias dos Santos
Na reunião, definiu-se o nome da nova agremiação como sendo “Santa Cruz Foot-Ball Club”. As cores escolhidas foram o branco e preto. Em 1915 o Santa adotou o vermelho, tornando-se tricolor. O historiador Leonardo Dantas afirma que o Santa Cruz sempre teve empatia popular e é um clube ligado a juventude, congregando todas as classes e raças, as três cores refletem essas características.

O início
O primeiro adversário do Santa Cruz foi o Rio negro, à época um já experiente selecionado regional, na campina do Derby, para onde foi atraído um bom público que queria ver jogar o “time dos meninos”. A equipe, apesar de acostumada a jogar somente nas ruas, não estranhou o gramado e impôs uma expressiva vitória pelo placar de 7 a 0. A equipe foi assim constituída: Waldemar Monteiro; Abelardo Costa e Humberto Barreto; Raimundo Diniz, Osvaldo Ramos e José Bonfim; Quintino Miranda, Sílvio Machado, José Vieira, Augusto Ramos e Osvaldo Ferreira.

O Rio Negro, não conformado com a goleada sofrida, pediu revanche, chamando o jogo para o seu campo, localizado na Rua São Borja, impondo ainda uma condição: o centroavante Sílvio Machado, do Santa Cruz, não poderia atuar, porque fora o melhor jogador em campo na primeira partida, tendo marcado 5 dos 7 gols do Santa Cruz. O time tricolor aceitou a condição e escalou Carlindo para substituir o seu artilheiro. Ao final, o placar apontava 9 a 0 para o Santa Cruz, tendo Carlindo assinalado seis gols.

Treinando sempre com a bola que José Luis Vieira ajudou a comprar por 8.500 réis, o Santa viria depois a conquistar mais uma sensacional vitória sobre um time famoso da cidade à época: o Western Telegraph Company, composto exclusivamente por jogadores ingleses que trabalhavam no Recife.

A Rua da Aurora um dos cartões postais do Bairro da Boa Vista no Recife.
Como não podia ser diferente, o Santa Cruz passou por momentos de crises, e, em um desses momentos, ainda em 1914, foi proposto por um dos fundadores, em uma reunião, o gasto dos únicos seis mil réis existentes em caixa na compra de uma máquina elétrica de fazer caldo de cana (o que era sucesso na época, na Rua da Aurora). Foi quando Alexandre de Carvalho deu um murro em cima da mesa, evitando com esse gesto de revolta o fechamento do clube; sua frase àquele momento é até hoje lembrada por torcedores, seja em textos, cânticos ou faixas: “O Santa Cruz nasceu e vai viver eternamente!”.

Como foi fundado por representantes da classe média, o Santa Cruz sempre foi um clube popular, aceitando inclusive negros no time (o primeiro foi Teófilo Batista de Carvalho, conhecido popularmente por Lacraia), coisa rara nesta época. Era mais um passo para a popularização do clube, numa época em que o futebol ainda era um esporte fechado, praticado por rapazes da elite ou por funcionários das várias companhias inglesas que funcionavam na cidade do Recife.

Logo, os torcedores pernambucanos tomaram conhecimento das façanhas de Pitota e Tiano (o médico Martiniano Fernandes), que em dado momento tornou-se para os recifenses mais importante do que Santos Dumont, o pai da aviação. No dia 30 de janeiro de 1919, Dumont transitava pela capital pernambucana, mas a cidade só comentava sobre a vitória tricolor sobre o Botafogo – a primeira de um time do Nordeste sobre uma equipe do Rio de Janeiro – por 3 a 2. Tiano marcou dois gols e o “Jornal Pequeno”, da segunda-feira, 31, dizia: “O Botafogo de Futebol e Regatas é derrotado pelos “meninos” cá de casa pelo escore de 3 a 2″.

Primeiro título estadual
O clube entrou na Liga em 1915 e chegou às finais, mas perdeu para o Flamengo-PE. Em 1931, mais precisamente no dia 13 de dezembro, o Santa fazia seu pavilhão espraiar-se por todo Pernambuco, quando, depois de uma bela campanha, derrotava o Torre por 2 a 0, com gols de Valfrido e Estêvão, e sagrava-se campeão estadual pela primeira vez.

Entre os campeões, duas figuras lendárias no futebol pernambucano: o centroavante Tará e Sherlock. Os heróis do primeiro título do Santa foram: Dada, Sherlock e Fernando; Doía, Julinho e Zezé; Walfrido, Aluízio, Neves, Tará, Lauro e Estevão, João Martins e Popó. Este time conseguiu também o título de 1935.

Assim começava o Arruda
Em 1943, o dirigente Aristófanes de Andrade conseguiu alugar um terreno próximo às ruas Beberibe e das Moças, onde muitos anos depois seria instalado o Estádio José do Rego Maciel, o Arruda. Na década de 1940, a equipe levantou três títulos (1940, 1946 e 1947), antes de passar dez anos em jejum.

Quebra do jejum, decisão de 1958
No dia 16 de março de 1957, em uma tarde fria de domingo, o Santa Cruz entrava em campo para pôr fim no incômodo jejum de 10 anos sem a conquista estadual. O título valia pelo Campeonato Pernambucano de 1957 e seria decidido contra o Sport. O Santa Cruz entrou em campo com a seguinte escalação: Aníbal; Diogo e Sidney; Zequinha, Aldemar e Edinho; Lanzoninho, Rudimar, Faustino, Mituca e Jorginho. O técnico era Alfredo González. O Sport estava formado por: Manga; Bria e Osmar; Zé Maria, Mirim e Pinheirense; Roque, Traçaia, Liminha, Carlos Alberto e Geo.

A decisão foi disputada em solo adversário, na Ilha do Retiro, pois o Sport venceu no sorteio. Caso tivesse sido vencedor, o Santa Cruz mandaria a partida nos Aflitos, estádio do Náutico, pois o Tricolor ainda não possuía estádio próprio na época.

A arbitragem da partida foi composta pelo uruguaio Estéban Marino, que foi auxiliado pelos bandeirinhas Amílcar Ferreira (carioca) e José Peixoto nova. Para o confronto, um público de 29.051 torcedores (para uma renda de 1.062.162 cruzeiros) animavam o espetáculo. No centro do gramado, o árbitro conversava com os capitães Aldemar e Mirim.

Naquele ano o Santa Cruz já havia conquistado os títulos de juvenis e aspirantes. Faltava o de profissionais, almejado durante uma longa década. E ele começou a surgir logo ao 4 minutos de jogo, com um gol de cabeça de Rudimar, após cobrança de escanteio de Faustino. A festa da torcida do Santa aumentou quando, aos 18 minutos, Lanzoninho penetra na área adversária e é abruptamente impedido por Osmar. Pênalti, que Aldemar converte. Bandeirinhas se agitavam na torcida do Santa, enquanto a torcida do Sport passou a vaiar seu técnico, o argentino Dante Bianchi.

Logo aos dois minutos do segundo tempo, outro gol tricolor: o então jovem goleiro Manga solta a bola nos pés de Mituca, que apenas tem o trabalho de empurrá-la para as redes. O Sport descontou aos 22 minutos, com Carlos Alberto. A reação rubro-negra continuou com o segundo gol, marcado por Zé Maria com um chute de fora da área. Porem parou por aí. O placar de 3 a 2 deu o título ao Santa Cruz, que pôde, enfim, comemorar um título de Campeão de Pernambuco após uma década de espera.

Nos anos que seguiram, por volta da década de 1970, o Santa Cruz adotou uma forma de administrar bastante democrática, sob a forma de colegiado. Durante esses anos, o Santa Cruz foi o time pernambucano a conquistar o maior número de títulos estaduais, e foi campeão do Torneio Hexagonal Norte–Nordeste de 1967 (inclusive goleando o Remo do Pará por impiedosos 9 a 0) e constituindo-se numa das maiores expressões do futebol nordestino da época.

Mais uma vez, o clube passaria nove anos esperando antes de comemorar. Em 1969 os tricolores quebram o jejum e dão início ao pentacampeonato do estado, maior série do clube até hoje.

Campeão do Torneio Hexagonal Norte-Nordeste de 1967
Ver artigo principal: Torneio Hexagonal Norte-Nordeste de 1967
No início do ano de 1967 o Santa Cruz conquistou o Torneio Hexagonal Norte-Nordeste, uma competição regional, em dez rodadas o Santa Cruz venceu seis jogo, empatou dois e só foi derrotado duas vezes, o clube goleou os dois times representantes do Norte, ambos do estado do Pará, no jogo de ida o Remo por 9 a 0 e o Paysandu por 5 a 1. O Santa Cruz foi derrotado no jogo da volta com o Remo e depois o Paysandu pelo placar de 2 a 1. Além de vencer os dois jogos contra o rival Sport no jogo de ida o Santa Cruz derrota o Sport por 3 a 1 e no jogo da volta derrota o Sport por 3 a 2. O clube enfrenta também o Ceará e o América do estado do Ceará o Santa Cruz derrotou de 2 a 0 o Ceará nos dois jogos e empatou os dois jogos com o América do estado do Ceará sendo o campeão com catorze pontos e terminando a competição que foi organizada nos sistema de pontos corridos em primeiro colocado conquistando seu primeiro título regional.

Construção do Arruda
Ver artigo principal: Estádio José do Rego Maciel

Estádio do Arruda.
Na década de 1970, a torcida tricolor teve mais um motivo para comemorar: a inauguração do Arruda. O estádio, cujo terreno havia sido posto a venda em 1952 pelo proprietário do terreno, recebeu o nome de José do Rego Maciel, por ter sido este o prefeito na época em que o Santa Cruz recebeu da prefeitura a posse definitiva do terreno, em 1954. Somente em 1965, com a venda de cadeiras cativas e títulos patrimoniais é que o Tricolor começou a construir seu estádio.

Área externa do Estádio do Arruda
Inauguração
A partida inaugural do Arruda ocorreu no dia 4 de julho de 1972. O jogo comemorativo foi contra o Flamengo do Rio de Janeiro, e o Santa entrou em campo com a seguinte escalação: Detinho; Ferreira, Sapatão, Rivaldo e Cabral (Botinha); Erb e Luciano; Cuíca (Beto), Fernando Santana (Zito), Ramón e Betinho. O Flamengo esteve formado por: Renato; Moreira, Chiquinho, Tinho e Wanderlei; Zanata e Zé Mário (Liminha); Vicente (Dionísio), Caio (Ademir), Doval (Fio) e Arilson. A partida terminou com um empate sem gols. A renda foi de CR$ 193.834,00, com um público total de 57.688 pagantes.

1975: o ano do Santa Cruz
Em 1975, os tricolores fazem uma campanha brilhante no Campeonato Brasileiro e chegam às semifinais, após vencer o Palmeiras (à época conhecido como “Academia”) por 3 a 2 dentro do Parque Antárctica nas oitavas de final, e o Flamengo em pleno Maracanã, de virada, por 3 a 1, nas quartas-de-final, vindo a perder a vaga para o Cruzeiro, em jogo marcado por uma controvertida arbitragem de Armando Marques, que, entre outras, deixou de assinalar um pênalti em favor do time tricolor e validou um gol irregular dos mineiros, dando a estes a classificação para a final da competição.

Caso tivesse obtido a vaga para a final, o Santa Cruz decidiria o Campeonato Brasileiro em Recife, já que havia realizado a melhor campanha entre os finalistas, ratificando a sua condição de um dos grandes times do Brasil na época, assim como o Internacional, o Fluminense e o Cruzeiro, que disputaram as primeiras colocações neste ano.

Em 1976, aparece no time o centroavante Nunes e o Santa levanta o Campeonato Pernambucano (bi-supercampeão). No Campeonato Brasileiro o Santa Cruz chega em décimo primeiro lugar, entre 54 concorrentes. No ano de 1977 seria o décimo colocado e em 1978, o quinto, o que mostra a força do Santa Cruz nas edições nacional dos anos 70.

O Santa sagrou-se bicampeão pernambucano em 1978/1979, colecionando 7 títulos estaduais entre 1970 e 1979.

Fita Azul
Ver artigos principais: Fita Azul (futebol) e Campanha do Santa Cruz na Fita Azul de 1979
Em 1979 o Santa Cruz conquistou o prêmio Fita Azul, que foi concedido-o por realizar uma excursão pelo Oriente Médio e Europa, conquistando assim seu primeiro prêmio de Honra ao Mérito. O clube ganhou de maneira invicta a premiação enfrentando adversários como o Paris Saint-Germain e a Seleção Romena. O Santa conquistou o título em 1 de abril de 1979. Na mesma década os tricolores foram campeões da década levantando o Campeonato Pernambucano por quatro vezes, em 1983 (tri-supercampeonato), em 1986, em 1987 e em 1990, último ano desta década.

Ampliação do Arruda

O Estádio José do Rego Maciel, popularmente conhecido como Arruda é o sexto maior estádio de futebol do país, com capacidade para 60.044 pessoas.
No dia 1 de abril de 1982, o Estádio do Arruda teve sua ampliação finalizada, podendo receber até 80.000 pessoas. Em sua inauguração recebeu 76.636 pagantes. Posteriormente, em função dos novos parâmetros de conforto e segurança estabelecidos pela FIFA, o Arruda viu a sua capacidade diminuída para cerca de 60.044 pessoas. Nos anos 1990, o Santa conquistou dois títulos estaduais, em 1993 e 1995, ambos diante do Náutico. Já em 1999 a torcida coral pode comemorar o retorno, após onze anos, à Série A do Brasileirão, quando, o Santa foi vice-campeão da Série B.

O jogador Rivaldo começou a carreira no Santa Cruz e foi campeão pernambucano com o clube em 1990.
2005–2006: acesso à Série A de 2006
Ver artigos principais: Campeonato Brasileiro de Futebol de 2005 – Série B e Campeonato Brasileiro de Futebol de 2006 – Série A
Já em 2005, o time Coral liderou a Série B desde o início do campeonato, classificando-se para a 2ª fase e novamente ficando em primeiro lugar. Na última fase, o time sagrou-se Vice-campeão da competição, obtendo acesso de volta à Série A do futebol brasileiro novamente.

O ano de 2006 assistiu ao nascimento da Associação dos Torcedores e Amigos do Santa Cruz (ATASC), criada com o objetivo de apoiar o clube financeiramente e investir na área patrimonial, a fim de colaborar com a construção de um Santa Cruz cada vez maior.

2006–2011: os piores dias do Santa Cruz
Após perder a emocionante final do Campeonato Pernambucano de 2006 para o Sport, o Santa Cruz começou a experimentar uma crise que parecia não ter volta. Após uma desastrosa campanha no Campeonato Brasileiro de 2006, sendo último colocado na maioria das rodadas, terminou rebaixado para a Série B novamente.

Cansados da série de gestões consideradas como medíocres para o clube, os tricolores votaram em massa no então vice-presidente licenciado do clube, Edson Nogueira, garantindo a primeira vitória de uma chapa de oposição na história do clube. Em 2007, entretanto, as coisas pioraram mais ainda. O time foi mal no Campeonato Pernambucano de 2007 com uma fraca 6ª colocação, e foi eliminado na primeira fase da Copa do Brasil para o Ulbra-RO, perdendo inclusive no Estádio do Arruda. Na Série B de 2007, o clube realizou uma campanha também fraca que o tragou para o segundo rebaixamento seguido, dessa vez para a Terceira Divisão do Brasileiro de 2008, descenso que foi sacramentado com uma derrota de 2 a 0 para o Criciúma, em Santa Catarina.

Em 2008, o clube ainda tentou se reorganizar para voltar a brilhar, mas ainda não alcançou um bom planejamento. Novamente foi vítima de vários reveses, como a eliminação da Copa do Brasil de novo na primeira fase, a disputa do denominado “Hexagonal da Morte” do Campeonato Pernambucano, que teve que disputar para se livrar do rebaixamento estadual e a perda de seus melhores jogadores, como Carlinhos Paraíba e Thiago Capixaba.

Teve uma campanha abaixo da média na Série C, classificando-se quase que por sorte para a segunda fase. Em 24 de agosto, empatou com o Campinense quando poderia ter vencido e amargou estar “pendurado no precipício”, precisando de uma combinação difícil de resultados para escapar do terceiro rebaixamento nacional consecutivo. Porém as chances extremamente remotas de não-rebaixamento foram enterradas com a vitória de 5 a 1 do Caxias sobre o Brasil, que preencheu a última vaga dos times desclassificados da segunda fase da Série C e matematicamente rebaixou o Tricolor.

O Santa Cruz conseguiu, portanto, um feito inédito na história do futebol brasileiro: ser rebaixado por três anos consecutivos. O time pernambucano, que estava na Primeira Divisão em 2006, jogou a Segundona em 2007 e a Terceirona em 2008. Com uma campanha ruim, não conseguiu ficar entre os 20 que disputaram a Série C de 2008.

Algumas semanas depois do último jogo do time na Série C, um consenso entre as maiores autoridades do clube levou à nomeação de Fernando Bezerra Coelho como candidato único à presidência do biênio 2009-2010. Nos dias subsequentes à sua eleição, várias empresas manifestaram disposição de patrocinar a reestruturação do Santa Cruz. Dentre as medidas estavam: Criação de um fundo de Investimento (Santa Cruz S.A) onde a previsão foi de 1,5 Milhões mensais; Reestruturação do Arruda, onde todo o gramado foi trocado através da Green Life (Empresa que colocou o gramado no Estádio Olímpico João Havelange (Engenhão), além de todos os banheiros (Pamesa) e instalações elétricas (Philips) que foram reformados. Outra mudança foi o novo visual do estádio com nova pintura que lembra as escamas de uma cobra. Foi adquirido, também, o “Expresso Coral” (apelido escolhido pelos torcedores para o ônibus de luxo incorporado ao patrimônio do clube).

Com a intenção de aproximar mais do seu clube o torcedor coral, foi realizada uma votação através de SMS, para o Torcedor Coral escolher o novo padrão de jogo. Como também, foi criada uma nova campanha de sócios, que antes mesmo de ser lançada, atingiu a marca histórica de quase 300% em um único mês, em relação à gestão anterior.

O Santa Cruz disputou em 2009 a recém-criada Série D e foi eliminado na 1ª fase. O clube classificou-se novamente para a Série D pela sua colocação no Campeonato Pernambucano de 2010.

Tentativa de recomeço
Após 5 anos, o Santa Cruz voltaria a decidir o título pernambucano, novamente contra o Sport. Em um campeonato marcado por uma disputa particular entre Náutico e Sport pelo hexacampeonato, o Santa Cruz entrava como franco atirador. O Náutico, único hexacampeão consecutivo de Pernambuco querendo manter sua glória e o Sport, até então pentacampeão, querendo igualar o recorde de títulos do alvirrubro. Tanto o Sport quanto o Náutico foram para o estadual repletos de jogadores de renome nacional e com bagagem na carreira. O Santa Cruz por sua vez apostou numa mescla entre juventude e experiência.

O Santa Cruz teve altos e baixos durante a competição com o comando de Zé Teodoro. Mais altos do que baixos. A equipe de Zé Teodoro iniciou a competição com seis vitórias consecutivas, a melhor estreia dos últimos 30 anos. Sequência quebrado pelo Náutico, na 7ª rodada, nos Aflitos: 3 a 1 para o Timbu.

Após a perda da invencibilidade, o Santa Cruz passou por oscilações. O Santa Cruz foi novamente derrubado, desta feita contra o Porto, em Caruaru. Após duas derrotas consecutivas, a torcida do Santa Cruz começou a se preocupar como a equipe reagiria para a sequência do campeonato. Preocupação essa que seria sanada na rodada seguinte, diante do maior rival: na 9ª rodada, o Santa Cruz derrotou o Sport por 2 a 0 no Arruda e faz o caldeirão ferver novamente.

Na rodada seguinte, novo tropeço. O Santa Cruz é derrotado por 3 a 0 pelo Central de Caruaru dentro do Arruda. Um banho de água fria para a torcida tricolor. Na rodada seguinte, o Santa Cruz empatou com a Cabense fora de casa. No retorno novamente contra a Cabense, o Santa volta a vencer após duas derrotas: 3 a 1 para os corais.
Na rodada seguinte o Santa bate o Central por 1 a 0 em Caruaru, após 7 anos, e traz de volta a confiança do povão tricolor.

Na 17ª rodada, nova decepção. O Santa Cruz perde por 1 a 0 para o Araripina. A gota d’água para torcida tricolor, que não aguentava mais as inconstantes atuações da equipe. Vários torcedores, passaram a desconfiar mais um vez do potência do jovem grupo tricolor. Desconfiança que ficaria por ali.

O Santa pegou o São Paulo na Copa do Brasil e no primeiro jogo, 60 mil torcedores empurraram o Santa para a vitória de 1 a 0 sobre o time de Lucas Moura, Rivaldo, Dagoberto, Rogério Ceni e outros grandes jogadores. Mas o Tricolor pernambucano perdeu o jogo de volta por 2 a 0 e foi eliminado. Porém, a garra com que um time recheado de garotos enfrentou um dos maiores times do brasil, foi emblemática.

Com um futebol alegre e envolvente, o Santa Cruz voltou a reacender a chama da torcida. Após vitórias contra Petrolina e Salgueiro fora e em casa respectivamente, o Santa Cruz foi para o clássico contra o Náutico. Um grande teste para se firmar na competição como um dos favoritos na briga pelo título. E não decepcionou. Em jogo eletrizante, o Clássico das Emoções termina empatado em 3 a 3. Mais duas vitórias, contra América e Porto respectivamente, e o Santa Cruz teria o maior e último teste na primeira fase do campeonato: o Clássico das Multidões contra o rival Sport, na casa do adversário.

O Santa Cruz, com uma marcação cerrada, conseguiu quebrar a volúpia do adversário e chegar à vitória. Com gols de Gilberto no segundo tempo, o Santa Cruz bateu seu maior rival fora de casa por 2 a 0 e mostrou a que veio no campeonato. O Santa Cruz estava definitivamente na briga pelo título. Faltavam apenas duas rodadas, e o time tricolor, já classificado para as semifinais, resolveu poupar os titulares e fazer testes com os jogadores das categorias de base. Uma derrota e um empate nas últimas rodadas, contra Vitória e Ypiranga respectivamente.

Chegada a hora da verdade: Náutico, Santa Cruz, Porto e Sport eram os semifinalistas da competição. O Santa Cruz, 2º colocado geral na primeira fase, enfrentou o Porto e na outra semi o clássico entre Náutico e Sport. No jogo de abertura das semifinais o Santa Cruz chegou a Caruaru animando. Empurrado por sua torcida, imensa maioria no estádio Lacerdão, o Santa Cruz sai na vantagem após vencer a equipe do Porto por 2 a 1. No jogo de volta, um empate ou até derrota por 1 a 0 serviria ao time tricolor. Mas não teve jeito, os mais de 30.000 torcedores presentes no Mundão do Arruda viram o Santa Cruz envolver o Porto do início ao fim. Um início arrasador. Aos 15 minutos da etapa inicial o Santa Cruz já vencia a equipe caruaruense por 3 a 0. No final da primeira etapa, o Porto ainda conseguiu diminuir. Mas já era tarde. Na etapa final, a equipe coral fez apenas cadenciar a bola e esperar o tempo passar. O Santa Cruz vence por 3 a 1 e após 5 anos volta a decidir o campeonato pernambucano.

Na outra semifinal entre Náutico e Sport, o Sport saiu na frente no primeiro jogo realizado na Ilha do Retiro: 3 a 1 para os rubro-negros. No jogo de volta, nos Aflitos, reduto alvirrubro, o Sport poderia perder por um gol de diferença, o que ocorreu. O Náutico, apesar de ter vencido, ficou fora da decisão do Pernambucano 2011. Placar de 3 a 2.

Final do Pernambucano de 2011
Ver artigo principal: Campeonato Pernambucano de Futebol de 2011
Santa Cruz e Sport voltam a se enfrentar numa decisão de pernambucano após seis anos. De um lado, a experiência e a maior folha salarial do estadual. Do outro; a juventude, a coletividade e a humildade. Mas acima de tudo, uma rivalidade histórica, quase centenária. Elementos que por si só já garantiriam uma final eletrizante, digna do Clássico das Multidões.

Mais uma vez os mandos de campo foram definidos através da melhor campanha do estadual, somando a pontuação da primeira fase e das semifinais. O Santa Cruz levou larga vantagem perante o rival durante todo o campeonato e ganhou a oportunidade de decidir o torneio no estádio do Arruda.

Jogo de ida na Ilha do Retiro
Santa Cruz e Sport iniciavam ali uma final histórica. Para o Sport era a oportunidade de conquistar o hexacampeonato e assim acabar com o “luxo” do Náutico, único hexa de Pernambuco. Para o Santa Cruz era uma oportunidade de soerguimento, e de acabar com o marasmo que vinha lhe atormentando há mais de 6 anos. Além disso, de trazer de volta o sorriso de sua torcida fiel e apaixonada que nunca abandonou o clube.

O Sport começou melhor o jogo, bem aplicado, porém, sem chances claras de gol. Ainda aos 40 segundos, o lance mais polêmico do jogo, o zagueiro Thiago Matias escorrega perto da entrada da área, e perde a bola para o atacante Bruno Mineiro, sendo parado com falta cometida por Thiago Matias. Os rubro-negros pediram a expulsão de Thiago mas o árbitro Cláudio Mercante apenas advertiu o zagueiro com um cartão amarelo, para desespero do time da Ilha do Retiro. Segue o jogo e o Sport continua melhor, toca a bola, chega mais a área, mas sem muitas preocupações para a meta tricolor. O Santa tenta responder, sem sucesso. Até que aos 33 minutos o atacante Gilberto certa um belo chute de fora da área, colocando a bola no ângulo da meta adversária, marcando um lindo gol. Na sequência Landu ainda perde uma boa oportunidade de gol aos 41 minutos, terminando assim a metade da disputa dos 180 minutos de jogo.

Na volta para o segundo tempo o Santa Cruz estava mais encorpado, querendo jogo, enquanto o Sport, atordoado, jogava sem brilho. Após uma cobrança de escanteio do time rubro-negro, o Santa recupera a bola com Têti, que passa para Renatinho. Renatinho faz grande jogada pela esquerda, dribla o lateral rubro-negro Renato, e dá um passe açucarado para Landu, que não desperdiça, tira do goleiro Magrão e aumenta a vantagem tricolor. O Sport se enerva, facilitando a vida do tricolor. Final de jogo: Santa Cruz 2 a 0 Sport.

Jogo do título
Uma semana depois, as equipes voltaram a duelar, desta fez no estádio do Arruda. Sabendo da boa vantagem construída na Ilha do Retiro o Santa Cruz joga maior parte do tempo atrás da linha do meio de campo. O Sport, necessitando de 2 gols para levar a decisão para os pênaltis, vai para cima, criando boas oportunidades. O Santa Cruz, acuado não consegue tocar a bola, preocupando a torcida. Com o campo pesado e a partida concentrada entre as intermediárias, o primeiro tempo termina com o placar em branco. Apenas 45 minutos para o tricolor finalmente voltar a comemorar um título. Para o rival, 45 minutos de muita tensão.

Recomeça o jogo e o Santa Cruz volta melhor, mais bem postado. O Sport pouco consegue produzir, lançando-se desordenadamente ao ataque e se expondo aos contra-ataques do Tricolor. No fim do jogo o Sport se lança ao ataque de maneira desesperada e consegue a marcação de um pênalti duvidoso. Marcelinho Paraíba cobra e converte. Mas já era tarde, o gol rubro-negro marcado aos 48 minutos do segundo tempo não muda o panorama do campeonato. Logo em seguida à cobrança o juiz pede a bola. Fim de jogo. Alegria da massa tricolor. Após cinco anos amargurando rebaixamentos e sem conquistar títulos estaduais, o Santa Cruz volta a conquistar o título pernambucano, o seu 25º, perante 62.243 torcedores presentes ao Arruda (54.798 pagantes), trazendo de volta o sorriso da fiel torcida tricolor.

2011: acesso para a Série C
Ver artigos principais: Campeonato Brasileiro de Futebol de 2011 – Série D e Campeonato Brasileiro de Futebol de 2012 – Série C
A torcida tricolor mostrou toda a força, mesmo com o Santa Cruz na Série D. A cobra coral teve a melhor média de público de todas as divisões do futebol brasileiro: 39.916 por partida. E deu resultado: em 16 de outubro de 2011, o tricolor confirmou o acesso à Série C depois de um empate sem gols com o Treze-PB no Arruda. O Santa viria a disputar o título da quarta divisão com o Tupi-MG, mas vacilou e não o conquistou, fato que não impediu que a imensa torcida comemorasse bastante.

2012: bicampeonato pernambucano
Mais um começo de campeonato sem muitas esperanças. A dupla Sport e Náutico teria uma disputa particular pelo título. O Santa teve mais uma vez de superar a desconfiança, principalmente depois de ser eliminado na Copa do Brasil em pleno Arruda pelo Penarol-AM. Ao fim da fase de classificação, o Santa ficou seis pontos atrás do líder Sport.

Nas semifinais, o Santa enfrentaria a grata surpresa do estadual: o Salgueiro, equipe que conseguiu envolver o trio de Recife nos jogos disputados no sertão pernambucano. O Santa jogava por dois empates. No interior, derrota para o Salgueiro por 2 a 1. Depois, no Arruda, vitória do Santa por 3 a 1.

Na final do Estadual, mais uma vez o Santa decidiria o título contra o Sport, que possuía vantagem de jogar pelo empate. No primeiro jogo, no Arruda, empate sem gols. Com um futebol envolvente, o Santa Cruz derrotou o Sport por 3 a 2 em plena Ilha do Retiro, no dia do aniversário do Sport, e comemorou o bicampeonato, que não acontecia desde 1987.

2013: tricampeonato pernambucano, título da Série C e acesso à Série B

O colosso do Arruda, é um dos nomes que designam o Estádio José do Rego Maciel, em 2013.
Além dos pernambucanos de 2011 e 2012, o Santa Cruz conquistou seu terceiro título consecutivo contra o Sport Recife. Ao passar pela semifinal um jogo incrível, que terminou 2 a 1 para o Náutico nos aflitos (último clássico nesse campo), o Santa Cruz conquistou a vaga na final por ter ganho o primeiro jogo no Arruda por 1 a 0, no caso valeu o gol fora de casa.

No dia 5 de maio de 2013, Santa Cruz e Sport fizeram a primeira final no Arruda com o jogo terminando em 1 a 0 para o Tricolor, que ainda a perdeu um pênalti. O gol no Arruda saiu dos pés do Dênis Marques.

Já no jogo da volta, que ocorreu na Ilha do Retiro, em 12 de maio de 2013, o Santa Cruz venceu o Sport por 2 a 0 com gols de Flávio Caça-Rato e Sandro Manoel. Com isso o Santa Cruz sagrou-se tricampeão pernambucano de 2011 a 2013, feito que não ocorria desde 1971.

Coincidentemente teve as três vitórias sobre seu grande rival Sport.

Com a conquista do tricampeonato em cima do rival Sport Clube do Recife, dentro da Ilha do Retiro, o Santa Cruz se tornou o maior vencedor de finais dentro do estádio do rival, perfazendo o placar de 8 a 6 em favor do time coral.

Temporada 2013 do Santa Cruz

Campeonato Brasileiro – Série C
O ano de 2013 trouxe muita alegria para a torcida tricolor. Além do tricampeonato estadual, o Santa Cruz conseguiu o acesso para o Campeonato Brasileiro da Série B e sagrou-se Campeão Brasileiro da Série C de 2013 (após derrotar, no jogo da volta, o Sampaio Corrêa por 2 a 1 no Arruda). Este foi um dos momentos de maior glória do clube tricolor.

Campeão brasileiro da Série C
Ver artigo principal: Campeonato Brasileiro de Futebol de 2013 – Série C
No Campeonato Brasileiro da Serie C, o Santa Cruz começou somando pontos e se mantendo entre os quatro mais bem colocados na competição. Se classificou para as quartas de finais e no jogo de ida enfrentou o Betim, vencendo por 1 a 0. No jogo da volta, no Arruda, o Santa Cruz venceu o Betim por 2 a 1 conquistou o acesso a Série B se classificando para semifinais. O Santa Cruz foi em busca de conquistar o título da terceira divisão do futebol nacional e enfrentou em Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso, o Luverdense. No jogo de ida, vitória de 2 a 0. No jogo da volta, em Recife, o Santa Cruz derrotou o Luverdense por 2 a 1 e tem como adversário na final o Sampaio Corrêa, em São Luís, no Maranhão. No jogo de ida, empate em 0 a 0; no jogo da volta, no Recife, o Santa Cruz derrotou o Sampaio Corrêa por 2 a 1 e conquistou o título do Campeonato Brasileiro da Série C, sendo este o primeiro título de campeão nacional do clube pernambucano.

2014: centenário
No ano de 2014 o Santa Cruz Futebol Clube completou 100 anos, tendo feito uma grande festa de comemoração. Porém, dentro de campo os resultados não fizeram jus a toda a comemoração. O ano foi marcado por diversos clássicos contra seu maior rival Sport, perdendo a vaga para o mesmo na fase semifinal da Copa do Nordeste. No primeiro jogo, na Ilha do Retiro, o Santa Cruz perdeu de 2 a 0; no jogo da volta, no Arruda, o Santa Cruz acaba perdendo o jogo de 2 a 1 sendo eliminado da Copa do Nordeste, e na Semifinal no Campeonato Pernambucano o Santa Cruz mesmo vencendo o rival Sport no jogo de ida por 3 a 0, e no jogo da volta o Santa Cruz perdeu por 1 a 0 sendo eliminado nos pênaltis pelo o rival Sport devido ao regulamento da competição. Restava apena o Campeonato Brasileiro da Série B para salvar o centenário, no entanto, mais uma decepção. O Santa Cruz não conseguiu encontrar consistência na competição, terminando na 9ª colocação. Algumas rodadas antes, o time chegou a disputar uma das vagas para o Acesso à Série A do Campeonato Brasileiro.

Centenário do Campeonato Pernambucano
Ver artigo principal: Campeonato Pernambucano de Futebol de 2015
No Campeonato Pernambucano de 2015, o Santa Cruz enfrentou o Salgueiro, primeiro time do sertão na final do campeonato, e no jogo de ida em Salgueiro no Estádio Cornélio de Barros o Santa Cruz empatou com o Salgueiro em 0 a 0. No jogo da volta, no Estádio do Arruda, o Santa Cruz derrotou o Salgueiro por 1 a 0, sendo campeão pernambucano na centésima edição da competição estadual de futebol.

2016: campeão do Nordeste
Ver artigo principal: Copa do Nordeste de Futebol de 2016
Campeão do Nordeste 2016
Troféu da Copa do Nordeste.
Na Copa do Nordeste de 2016, o Santa Cruz ficou no Grupo C com os times Bahia-BA, Confiança-SE e Juazeirense-BA; o Santa Cruz precisou chegar a última rodada da fase de grupos para decidir se passava de fase ou seria eliminado da Copa do Nordeste. O jogo decisivo foi entre Santa Cruz e Bahia, e o time dependia da vitória, porém o time tricolor perdeu o jogo por 1 a 0 e por sorte só conseguiu passar de fase pelo saldo de gols e isto custou a demissão do técnico Marcelo Martelotte. Logo o Santa Cruz precisou contratar um novo técnico e foi este técnico que mudou o time do Santa Cruz, Milton Mendes, foi ele que assumiu o time tricolor e mudou o jeito de jogar do time. Depois que Milton Mendes assumiu, os jogadores começaram a jogar com raça, força e com vontade de vencer.

Os resultados apareceram nas quartas de finais ao enfrentar o Ceará, o então campeão de 2015, em duas partidas, uma de ida e a outra de volta. O Ceará começou comandando as ações no primeiro tempo. Tanto que abriu o placar com Rafael Costa, preciso no arremate. No entanto, o Santa voltou melhor no segundo tempo e conseguiu o empate logo no início. No fim da partida, quando o Vovô segurava o resultado, Keno, mais uma vez, balançou as redes do Ceará e decretou a virada do Santa Cruz, terminando o jogo em 2 a 1 para a equipe tricolor. O jogo da volta, no Castelão, em Fortaleza, o Santa Cruz aguentou a pressão cearense e mais uma vez conseguiu a vitória, com o placar de 0 a 1, antecedido por uma defesa de pênalti do goleiro Tiago Cardoso do Santa Cruz. Era o suficiente para o Santa Cruz passar de fase na competição e chegar à semifinal da Copa do Nordeste.

Na fase seguinte, o Santa Cruz encarou o Bahia, em dois jogos decisivos. O Bahia era o favorito na disputa, pois nos últimos jogos entre os clubes, o time pernambucano não havia conseguido vitórias. No primeiro jogo no Recife, o Santa Cruz empatou com o Bahia por 2 a 2 em um jogo movimentado. O Bahia começou melhor, avançando as linhas e dando trabalho à equipe da casa. Assim, chegou ao gol com Hernane, o décimo dele na temporada. Mas o Santa melhorou. Em noite feliz, Keno infernizou a defesa do Bahia e marcou o gol de empate; Grafite virou. O duelo até parecia definido, o time coral era melhor, mas Luisinho deixou tudo igual em cobrança de pênalti – Wellington, que acabara de entrar, colocou a mão na bola dentro da área. No segundo jogo da semifinal, o Santinha ganhou do Bahia, na Arena Fonte Nova, por 0 a 1 com o gol de Grafite, assim confirmando o Santa Cruz na sua primeira final da Copa do Nordeste, tendo como adversário o Campinense, que havia eliminado o Sport nos pênaltis.

Grafite foi artilheiro pelo Santa Cruz na conquista da Copa do Nordeste de 2016.
O primeiro jogo da decisão foi no Estádio do Arruda, lotado em Recife, e o Santa Cruz venceu por 2 a 1. O Campinense começou melhor. Jogava mais no ataque. E dominava as jogadas ofensivas do primeiro tempo. Não chegava a ser extremamente perigoso, mas tinha mais posse de bola. Isto pouco importou. Porque quem abriu o placar foi o Santa Cruz. Numa cobrança de escanteio, Glédson saiu mal e Grafite não perdoou. O Campinense não se abalou. E chegou a colocar a bola para dentro aos 43, com Tiago Sala, mas o gol foi anulado. Na etapa final, as coisas mudaram. O Santa Cruz passou a ser mais perigoso, e teve três boas chances de ampliar. Glédson se recuperou da falha e salvou o Campinense. Defesas incríveis. Até que aos 26 Tiago Sala empatou. Tal como antes, marcou quem não jogava melhor. A partir daí, os times passaram a se respeitar.

Com medo de sofrer gols, mas querendo atacar. O tempo ia passando. O empate parecia certo. Mas no último lance, o gol da vitória. Raniel cruzou rasteiro, a bola passou por dois raposeiros e Bruno Moraes deu a vitória ao Santa que jogaria por o empate em Campina Grande. A grande final foi muito competitiva, não faltando emoção. A torcida tricolor compareceu em peso, invadiu Campina Grande e empurrou o time. O empate era a vantagem que a Cobra Coral tinha em mãos. E foi na medida. O Campinense abriu o placar com Rodrigão, aos 27 minutos do 2º tempo, dando o título ao Campinense (sendo decretado campeão devido ao gol fora de casa marcado no jogo de ida), mas Arthur, aos 37, empatou o jogo na base do coração. Foi o primeiro título regional da Copa do Nordeste do clube e pintando o Nordeste de preto, branco e vermelho. Além do título de campeão do Nordeste, o Santa Cruz recebeu uma vaga que lhe dava o direito de disputar a Copa Sul-Americana de 2016. Este dia 1 de maio de 2016 vai ficar na memória do Terror do Nordeste.

Copa Sul Americana de 2016: a primeira competição internacional oficial
Ver artigo principal: Copa Sul-Americana de 2016
Na Copa Sul-Americana de 2016 o Santa Cruz enfrentou o arquirrival Sport na segunda fase em dois jogos na Arena Pernambuco. No jogo de ida, o Santa Cruz empatou por 0 a 0 e no jogo da volta o Santa Cruz derrotou o Sport por 1 a 0, eliminado o arquirrival na competição. Passando de fase para as oitavas de finais, o Santa Cruz enfrentou na Colômbia o Independiente Medellín, no Estádio Atanasio Girardot. No jogo de ida, derrota por 2 a 0. No jogo da volta, no Estádio do Arruda, no Recife, o Santa Cruz derrotou o Independiente Medellín por 3 a 1. No entanto, mesmo com a vitória, foi eliminado devido à regra do gol fora de casa.


Patrocinado